Don’t mention lupanar

Nada há que se compare a um jantar impregnado de jornalistas, para se ter acesso ao retrato cru e razoavelmente fidedigno do recreio político que se vai desenrolando, sob o quotidiano dito «normal» de milhões de constituintes, no seio dos partidos políticos (também conhecidos como «aparelhos».)

Ouvimos e pensamos: «não pode ser assim tão mau». Pois não: é pior.

Desde logo, a valsa não é lenta: a conflagração marca o ritmo, a parlapatice é generalizada, a tensão é a pedra de toque.

Tráfico piramidal de apoios, compra de votos, caciquismo em roda livre, golpadas palacianas, facadinhas nas costas, denuncias, traições e bufaria: há de tudo um pouco. A natureza humana em todo o esplendor.

Há gente que não distingue uma azinheira de um sobreiro; um borrego de um cabrito; uma função logarítmica de uma exponencial; uma taxa de um imposto; a tabela periódica de uma tabela de básquete; Racine de Estaline; ou que fala, com o ar mais sério do mundo, em «crescimento negativo» e «empoderamento». Mas é observá-los nas alamedas e interstícios partidários: virtuosos do calculismo, mestres da encenação, maquiavéis na disputa, formiguinhas laboriosas e criativas, pequenos e adoráveis déspotas nas «concelhias» (circunscrições que não implicam grandes «inteligências», apenas o tempo e a dedicação próprias de quem não tem uma profissão «cá fora»).

Regra geral, todos os partidos produzem e pastoreiam certo tipo de «funcionários»: treinados, desde tenra idade, no campus das jotas; hábeis no contacto com «as bases»; proprietários de três ou quatro ideias vagas sobre «ciência política» (normalmente apreendidas nas universidades de Verão ou num transitório e louvável esforço autodidacta); especialistas nas «inscrições compulsivas» e na actualização criativa de «cadernos». Gente muito animada, que faz questão de se «inscrever» na sociedade.

No meio da lufa-lufa, há registos de relativa acalmia, onde valores mais altos concorrem para a arregimentação e aguçam a concentração: nas vésperas da corrida ao poder (a união faz a força) ou depois da tomada deste (oba, oba). Sobretudo neste último caso.

É por demais sabido que estados de má nutrição, provocados por períodos de prolongada carência, são propícios à acrimónia, à ansiedade e à irreflexão. A chegada ao poder é uma espécie de plaina conciliadora: as arestas são removidas, as disputas afagadas, as excrescências opiniativas desbastadas, o nervosismo nivelado para níveis aceitáveis. É o tempo do amanho e da nutrição.

Isto tem mal? Não teria. O problema é que destas nebulosas sai gente que vai ocupar cargos de chefia, direcção e governo, com uma visão muito estreita do que é a política, o convívio democrático e, em última análise, o país real. O caldo iliberal, anti-democrático e acintoso que os alimentou, produzirá os seus efeitos na forma como se relacionam, como expõem os seus argumentos, como respeitam (ou não) a sua independência e a sua liberdade. Se isto não é trágico, anda lá muito perto.

Estarei eu a abraçar um discurso perigosamente generalizador, e por isso injusto e populista?  Call a lawyer and sue me.

Standard

2 thoughts on “Don’t mention lupanar

  1. Não deixando de sentir como verdade muito do que diz, defendo que o cidadão individual tem que assumir as suas responsabilidades e não arranjar desculpas de mau pagador. Quem os coloca lá, tem que ser tratado como cumplice não como vitima.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s