Um homem raro

(artigo originalmente publicado em 2011 no Diário do Sul)

Aos 42 anos, não me recordo de uma figura portuguesa, ainda viva, com a qual me tenha identificado tanto. Há, é verdade, Vasco Pulido Valente e Miguel Esteves Cardoso, a quem devo o gosto pela arte da crónica jornalística, um género literário tão pouco valorizado em Portugal, mas que, lá fora, foi apurado até à perfeição por gente como H. L. Mencken, Michael Wharton, Auberon Waugh, Jeffrey Bernard ou o recentemente falecido Christopher Hitchens. Refiro-me a algo de mais profundo ou, como está na moda dizer-se, abrangente: não apenas o estilo ou a forma, mas a disposição, o saber e a graciosidade. Refiro-me a Gonçalo Ribeiro Telles.

Sempre admirei, em Gonçalo Ribeiro Telles, a capacidade para «falar mais alto» sem (nunca) levantar a voz; de ser inconformista sem ser revolucionário; de ser original sem ser «modernista»; de «estar a ver o filme» quando, à sua volta, ninguém fazia a mais pálida ideia do que se passava; de ser coerente sem ser dogmático; de perceber que estava certo renunciando à altivez, à arrogância ou ao punho cerrado; de ser capaz de olhar para a árvore sem esquecer a floresta, e vice-versa.

A sua originalidade parte de um dom raro: a capacidade para avaliar, de forma integrada e em perspectiva (passada e futura), o meio que o rodeia, nas suas mais diversas expressões: cultural, rural, arquitectónica e social. A sua visão crítica, mas paciente e desassombrada, da relação (de eterna conflitualidade) entre o homem e o território que sempre amou – alicerçada no princípio da preservação da unidade da paisagem, enquanto atributo da sua diversidade e beleza, e num profundo conhecimento da realidade – fez dele um homem sempre à frente do seu tempo. Os princípios que hoje consideramos como adquiridos, nas áreas da ecologia e do ambientalismo, foram postulados várias décadas antes por Gonçalo Ribeiro Telles.

Mas, como bem recordou Miguel Esteves Cardoso, Gonçalo Ribeiro Telles não foi apenas «o» jardineiro: foi, e continua a ser, o mais original dos filósofos políticos portugueses, remetendo-nos para o mais original e inclassificável dos filósofos ingleses do século XX: Michael Oakeshott. Em Gonçalo Ribeiro Telles, encontramos a «disposição conservadora» de que nos falava tão sabiamente Oakeshott no ensaio «On Being Conservative»: a defesa do regresso a escalas mais humanas; a apologia do belo em detrimento do «brutalismo»; o apelo à lealdade inter-geracional como ponto de partida fundamental para a conservação do legado natural, sem colocar em causa as reformas necessárias; a justa e precisa noção do carácter contingente das relações de equilíbrio entre o homem e o meio natural; a inclinação para a conservação e fruição do presente, em detrimento do corte abrupto, a maior parte das vezes irreparável, tão ao gosto das vertigens e urgências neotéricas (assépticas e acéfalas); a forma sábia como fazia notar as correlações vitais e as interdependências orgânicas entre os mais diversos elementos (os solos, a flora, a hidrologia, o património edificado…). «As preocupações são duráveis», como lembrava Guilherme de Oliveira Martins, na recente homenagem a Gonçalo Ribeiro Telles, organizada pelo Centro Nacional de Cultura e pela Fundação Calouste Gulbenkian (organização a cargo da Arq. Aurora Carapinha). Coisa que inquietava mas simultaneamente apaixonava e motivava este sage. Um homem bom, que teve sempre razão antes de tempo. Talvez por isso, continue, ainda hoje, a inquietar a ignorância estabelecida.

Standard

Murder most foul

Twas a dark day in Dallas, November ’63
A day that will live on in infamy
President Kennedy was a-ridin’ high
Good day to be livin’ and a good day to die
Being led to the slaughter like a sacrificial lamb
He said, “Wait a minute, boys, you know who I am?”
“Of course we do, we know who you are”
Then they blew off his head while he was still in the car
Shot down like a dog in broad daylight
Was a matter of timing and the timing was right
You gotta pay debts, we’ve come to collect
We’re gonna kill you with hatred, without any respect
We’ll mock you and shock you and we’ll put it in your face
We’ve already got someone here to take your place
The day they blew out the brains of the king
Thousands were watching, no one saw a thing
It happened so quickly, so quick, by surprise
Right there in front of everyone’s eyes
Greatest magic trick ever under the sun
Perfectly executed, skillfully done
Wolfman, oh wolfman, oh wolfman howl
Rub-a-dub-dub, it’s a murder most foul
Hush, little children, you’ll understand
The Beatles are comin’, they’re gonna hold your hand
Slide down the banister, go get your coat
Ferry ‘cross the Mersey and go for the throat
There’s three bums comin’ all dressed in rags
Pick up the pieces and lower the flags
I’m going to Woodstock, it’s the Aquarian Age
Then I’ll go to Altamont and sit near the stage
Put your head out the window, let the good times roll
There’s a party going on behind the Grassy Knoll
Stack up the bricks, pour the cement
Don’t say Dallas don’t love you, Mr. President
Put your foot in the tank and step on the gas
Try to make it to the triple underpass
Blackface singer, whiteface clown
Better not show your faces after the sun goes down
Up in the red light district, they’ve got cop on the beat
Living in a nightmare on Elm Street
When you’re down in Deep Ellum, put your money in your shoe
Don’t ask what your country can do for you
Cash on the ballot, money to burn
Dealey Plaza, make a left-hand turn
I’m going down to the crossroads, gonna flag a ride
The place where faith, hope, and charity died
Shoot him while he runs, boy
Shoot him while you can
See if you can shoot the invisible man
Goodbye, Charlie
Goodbye, Uncle Sam
Frankly, my Scarlet, I don’t give a damn
What is the truth, and where did it go?
Ask Oswald and Ruby, they oughta know
“Shut your mouth, ” said the wise old owl
Business is business, and it’s a murder most foul
Tommy, can you hear me?
I’m the Acid Queen
I’m riding in a long, black Lincoln limousine
Riding in the backseat next to my wife
Heading straight on in to the afterlife
I’m leaning to the left, got my head in her lap
Hold on, I’ve been led into some kind of a trap
Where we ask no quarter, and no quarter do we give
We’re right down the street from the street where you live
They mutilated his body, and they took out his brain
What more could they do?
They piled on the pain
But his soul’s not there where it was supposed to be at
For the last fifty years they’ve been searchin’ for that
Freedom, oh freedom
Freedom above me
I hate to tell you, mister, but only dead men are free
Send me some lovin’, tell me no lies
Throw the gun in the gutter and walk on by
Wake up, little Suzie, let’s go for a drive
Cross the Trinity River, let’s keep hope alive
Turn the radio on, don’t touch the dials
Parkland hospital, only six more miles
You got me dizzy, Miss Lizzy
You filled me with lead
That magic bullet of yours has gone to my head
I’m just a patsy like Patsy Cline
Never shot anyone from in front or behind
I’ve blood in my eye, got blood in my ear
I’m never gonna make it to the new frontier
Zapruder’s film I’ve seen that before
Seen it 33 times, maybe more
It’s vile and deceitful
It’s cruel and it’s mean
Ugliest thing that you ever have seen
They killed him once and they killed him twice
Killed him like a human sacrifice
The day that they killed him, someone said to me, “Son
The age of the Antichrist has just only begun”
Air Force One coming in through the gate
Johnson sworn in at 2:38
Let me know when you decide to thrown in the towel
It is what it is, and it’s murder most foul
What’s new, pussycat?
What’d I say?
I said the soul of a nation been torn away
And it’s beginning to go into a slow decay
And that it’s 36 hours past Judgment Day
Wolfman Jack, he’s speaking in tongues
He’s going on and on at the top of his lungs
Play me a song, Mr. Wolfman Jack
Play it for me in my long Cadillac
Play me that “Only the Good Die Young”
Take me to the place Tom Dooley was hung
Play “St. James Infirmary” and “The Port of King James”
If you want to remember, you better write down the names
Play Etta James, too
Play “I’d Rather Go Blind”
Play it for the man with the telepathic mind
Play John Lee Hooker
Play “Scratch My Back”
Play it for that strip club owner named Jack
Guitar Slim going down slow
Play it for me and for Marilyn Monroe
Play “Please Don’t Let Me Be Misunderstood”
Play it for the First Lady, she ain’t feeling any good
Play Don Henley
Play Glenn Frey
Take it to the limit and let it go by
Play it for Karl Wirsum, too
Looking far, far away at Down Gallow Avenue
Play tragedy, play “Twilight Time”
Take me back to Tulsa to the scene of the crime
Play another one and “Another One Bites the Dust”
Play “The Old Rugged Cross” and “In God We Trust”
Ride the pink horse down that long, lonesome road
Stand there and wait for his head to explode
Play “Mystery Train” for Mr. Mystery
The man who fell down dead like a rootless tree
Play it for the Reverend
Play it for the Pastor
Play it for the dog that got no master
Play Oscar Peterson
Play Stan Getz
Play “Blue Sky”
Play Dickey Betts
Play Hot Pepper, Thelonious Monk
Charlie Parker and all that junk
All that junk and “All That Jazz”
Play something for the Birdman of Alcatraz
Play Buster Keaton
Play Harold Lloyd
Play Bugsy Siegel
Play Pretty Boy Floyd
Play the numbers
Play the odds
Play “Cry Me A River” for the Lord of the gods
Play Number 9
Play Number 6
Play it for Lindsey and Stevie Nicks
Play Nat King Cole
Play “Nature Boy”
Play “Down In The Boondocks” for Terry Malloy
Play “It Happened One Night” and “One Night of Sin”
There’s 12 Million souls that are listening in
Play “Merchant to Venice”
Play “Merchants of Death”
Play “Stella by Starlight” for Lady Macbeth
Don’t worry, Mr. President
Help’s on the way
Your brothers are coming, there’ll be hell to pay
Brothers? What brothers? What’s this about hell?
Tell them, “We’re waiting, keep coming”
We’ll get them as well
Love Field is where his plane touched down
But it never did get back up off the ground
Was a hard act to follow, second to none
They killed him on the altar of the rising sun
Play “Misty” for me and “That Old Devil Moon”
Play “Anything Goes” and “Memphis in June”
Play “Lonely At the Top” and “Lonely Are the Brave”
Play it for Houdini spinning around his grave
Play Jelly Roll Morton
Play “Lucille”
Play “Deep In a Dream”
And play “Driving Wheel”
Play “Moonlight Sonata” in F-sharp
And “A Key to the Highway” for the king on the harp
Play “Marching Through Georgia” and “Dumbaroton’s Drums”
Play darkness and death will come when it comes
Play “Love Me Or Leave Me” by the great Bud Powell
Play “The Blood-stained Banner”
Play “Murder Most Foul”
Bob Dylan
Standard

Não é por nada

Uma anedota:

Um sobrevivente de Auschwitz morre, chega ao céu e conta a Deus uma anedota sobre o Holocausto. Deus comenta: «Isso não tem piada.» Responde o sobrevivente: «Ah, tinha de ter estado lá.»

Uma notícia:

«O ministro Luís Filipe Castro Mendes considerou que o forte de Peniche trará um “turismo cultural muito importante” e que os números das visitas a este tipo de monumentos mostram que “existe um turismo especializado e que a visita a um Museu da Resistência e da Liberdade terá como é a visita a museus idênticos que há por esse mundo e lugares de memória, desde Auschwitz a outros.”»

Longe de mim sugerir ao senhor ministro da Cultura o mesmo: ter experimentado Auschwitz e Peniche para perceber a diferença (no grau, na natureza, na ordem de grandeza, etc.) Até porque, objectivamente, o senhor ministro não comparou coisíssima nenhuma. Certo. Mas convém não dar ares de leviano. Convém ter algum cuidado com os contextos subjacentes ao que se diz. Não é por nada.

Standard

Miguel Pedro Sousa Marques Lopes Tavares

Agrada-me a divulgação televisiva de interrogatórios judiciais em prime, middling ou off-peak time? Não.

A divulgação dos interrogatórios roça o voyeurismo? Roça.

A divulgação dos interrogatórios constitui um crime? Provavelmente, sim.

Tratando-se de um crime, a divulgação dos interrogatórios, com o devido tratamento jornalístico, pode, ainda assim, justificar-se? Depende do processo e do tratamento jornalístico.

Se estiveram em causa crimes de corrupção e conexos que terão prejudicado a res publica, desprestigiado a classe política e abanado os fundamentos do Estado de Direito, poderá o interesse público, o dever de informação e a liberdade de imprensa, enquanto direitos fundamentais consagrados nos artigos 37.º e 38.º da Constituição da República Portuguesa, sobrepor-se ao direito à reserva da intimidade da vida privada e ao direito à imagem, protegidos constitucionalmente no n.º 1 do artigo 26.º da mesma Constituição? Na qualidade de indigente não-constitucionalista, penso que sim.

Podemos visionar a peça jornalística da SIC e unicamente concluir, ou dela retirar, a existência de uma flagrante e «nojenta» violação do disposto no número 2 do artigo 88.º do Código do Processo Penal? Podemos, da mesma forma que podemos achar que The Love Song of J. Alfred Prufrock é um divertido poema sobre o lamento de um procrastinador que não consegue pedir em casamento a sua amada, às voltas com uma overwhelming question; ou que Moby Dick relata as andanças de um baleeiro dirigido por um valente capitão, levemente lelé da cuca; ou que o The Catcher in The Rye é uma comédia sobre um puto de 16 anos que disfarça a queda para o ócio e o enjoo à instrução com supostas perturbações mentais; ou que Bartleby, The Scrivener narra as desventuras de um ardiloso calão.

Standard

Se num dia de Primavera um espertalhão

A 6 de Setembro de 2014, a propósito de um evento de exaltação do candidato babush onde o senhor João ‘não consegui à primeira nem à segunda’ Botelho se referiu amiúde «ao Costa e ao Zé Sá Fernandes», escrevi: «a trupe da cóltura ainda não se deu conta de que não vai poder esperar muito do doutor Costa, quando este ocupar o alopécio cargo. A conclusão é trágica: a aritmética não quer nada com a Cultura.»

A 6 de Setembro de 2014, Portugal vivia sob o jugo do terrível doutor Passos Coelho. O doutor Costa, vá-se lá saber porquê, acalentava ganhar as eleições. Na sua triunfal marcha rumo à glória, beberricava na teta da ilusória generosidade da intelligentsia portuguesa, nidificada no Portugal aparente da prodigalidade dissimulada do «político de esquerda». Asinus asinum fricat. Centeno? Ninguém o era. Cativações? Um mistério. Jornada de luta nas matas? Que ideia absurda. Tancos? Uma fortaleza inexpugnável.

Passados três anos, sete meses, uma derrota eleitoral, um regime austeritário transgénero e um novo conceito de carga fiscal, o doutor Costa espantou-se. Vá-se lá saber porquê.

Standard

Facemirror

A vastíssima população humana que investe horas do seu dia-a-dia no Facebook – do hipster que quer dar conta do brunch que lhe esvaziou a carteira e conspurcou a barba, à mãe com o «bebé mais bonito do mundo», passando pela boazona que pela quinquagésima vez avisa estar solteira (leia-se disponível para consumo) durante umas férias em Punta Cana, e acabando nos que às segundas, quartas e sextas denotam horror ao Face (petit nom), mas às terças, quintas e fins-de-semana o utilizam para difundir urgentíssimas convicções ou para encher o ego – espantou-se com o facto de a rede social presidida por uma criança de caracóis ser palco de patifarias de vária ordem, supostamente violadoras do difuso conceito de «privacidade» (difuso no ecossistema facebookiano, entenda-se).

Mal comparado, a coisa equivale a soprar um boato no ouvido de uma comadre coscuvilheira encartada e, no dia seguinte, estofar-se de indignação porque a notícia veio a lume. E repare-se: a culpa nunca ou raramente é da comadre.

Quem procura o recato ou quem tem mais que fazer, estará por esta altura a borrifar-se para o caso e considerará esta polémica uma sonsice pegada. Por uma de duas razões: ou porque convive bem com as «quebras de privacidade» (o pouco que publicou é irrelevante e as investidas das Cambridge Analyticas parecem-lhe risíveis), ou porque pura e simplesmente não põe lá os pés.

Está no ADN do Facebook escancarar existências, na sua generalidade tristes? Não. Está no ácido desoxirribonucleico dos seus utilizadores. Os mesmos que agora se queixam mas não largam o circo. Fim de conversa.

Standard

O que faz falta é animar a malta

Para quem duvidasse da existência de matérias vulneráveis à dúvida não obstante o elevado grau de pureza da irrefutabilidade cientifica, eis a resposta: no grande fórum mundial para a discussão de matérias lusitanas e, en passant, da humanidade (Prós & Contas) debateu-se há semanas a grave «problemática das vacinas».

A única criatura a pôr em causa aquela que é provavelmente a maior história de sucesso da medicina na erradicação (ou redução para níveis, digamos, aceitáveis) de doenças tradicionalmente fatais (a ponto de nos permitir identificar historicamente uma era pré e pós-vacinal pela contagem de milhares de óbitos), fez saber o seguinte: dos cinco filhos que tiveram a sorte de ter um pai terapeuta do biomagnetismo que lê estudos, a «mais nova» não foi vacinada. Foi uma opção. Isso mesmo: uma opção.

Salvo uma referência a correr por parte de um dos paineleiros, abafada por uma moderadora capturada pelo magnetismo do terapeuta, ninguém pareceu interessado em reparar que a opção de não vacinar um dos filhos por parte do terapeuta do biomagnetismo que lê estudos, para além de estúpida, assenta no mais ultrajante dos egoísmos: beneficiar da «opção» certa (leiam comigo: v-a-c-i-n-a-r) tomada ao longo do tempo pela esmagadora maioria dos progenitores (actuais e passados), que permite hoje ao terapeuta do biomagnetismo que lê estudos, e à prole do terapeuta do biomagnetismo que lê estudos, viver num ambiente epidemiologicamente seguro.

Não vejo, por isso, como poderá o Prós & Contras passar ao lado de um alargado debate sobre o biomagnetismo. Um claro problema de saúde mental pública.

Standard

Agora é que é

Depois de ter ficado «esgotado, mas alegre» com o último livro da trilogia As Areias do Imperador, Mia Couto classifica novo livro como o seu maior desafio enquanto escritor.

Standard

Tudo maluco

O que há a dizer sobre o travel jacket Baubax 2.0 (com espaço para uma garrafa, uma lata, um estojo de óculos, uma caneta Apple, um tablet, uma mantinha, uma almofada insuflável, luvas extensíveis, um par de tampões para os ouvidos e uns auriculares) ou sobre o reMarkable paper tablet (um tablet que replica a sensação de escrever sobre papel, e que se dirige a quem não está na disposição de utilizar um bloco de notas convencional apesar de gostar de escrever num bloco de notas convencional)?

Pela parte que me toca, acho que se justifica uma acção de crowdfunding que venha a materializar a produção de um Shetland tweed com interstício tecnológico nas suas fibras que permita, por aproximação aos alvos, teletransportar nerds, techies, geeks e coninhas para Marte (devidamente apetrechados com os travel jackets, claro.)

Standard

The dude abides

O doutor António Mendonça Mendes é um homem feliz. Como homem feliz, transpira, entre outras coisas, tranquilidade. O ar cândido com que disse «nós nem temos de deixar tudo para a última hora nem temos de utilizar tudo no primeiro dia, temos de utilizar ao longo do tempo» (uma frase, desde logo, a roçar prazenteiramente o ininteligível) evidencia uma atitude despreocupada perante a vida em geral, e as intendências que lhe foram parar ao colo em particular.

O facto de o Estado levar cerca de seis meses a acertar as contas com os contribuintes, retendo dinheiro que não lhe pertence, não o comove. Estou, aliás, em crer que o doutor António Mendonça Mendes toma o exercício como um divertimento: que razões levam os velhacos dos contribuintes a querer submeter o mais rapidamente possível «o modelo três»? No conforto do seu duplex respaldado com o ordenadinho que os apressados lhe pagam, o doutor António Mendonça Mendes coloca todas as hipóteses: será avareza, mesquinhez, gulodice, obsessão com portais, existências vazadas? Um passatempo encantador.

Standard

Deus salve os nossos governantes

A acção de limpeza das matas que mobilizou todo o governo de Portugal, foi uma aposta ganha. Veio ratificar a ideia de que o espírito colectivo substitui o critério moral (e abstracto) pelo critério histórico, o qual tem por base a consagração dos factos consumados. A difusão de imagens pela espectacular TDT, foi determinante. Nada ficou como dantes. A história é recente, mas é história. E factos são factos.

O senhor Tomé Azevedo, habitante de Nespereira (Cinfães), viúvo, reformado e proprietário de uma courela herdada, a que se refere carinhosamente como «uma herda», não conseguiu conter o vigor reactivo que a imagem do doutor Castro Mendes, actualmente a debater-se com uma ciática excruciante, lhe provocou. «Ver o senhor ministro a pôr comida na boca de uma ovelha, tocou-me. Daí a limpar as matas, foi um passo», relata o senhor Tomé, derrubando inadvertidamente a chávena de chá de ameixa preta que o congestionamento do seu particular IC19 tem ultimamente recomendado, dada a constante excitação em que tem andado.

Também Alberto Morais, residente em Mouraz, gerente de uma taberna em Vila Nova da Rainha e de dois pubs na zona metropolitana de Tondela, conhecido na região como o «Manuel Reis das Beiras» pelo incansável e desinteressado trabalho de dinamização nocturna e cultural levado a cabo na década de 90 (no virar do século veio a dedicar-se à pastorícia dada a experiência adquirida), não resistiu ao visionamento do doutor Costa de gadanha hi-tech na mão e camuflado xadrez no tronco: em poucos minutos, reuniu as ferramentas e atacou o matagal.

Ofélia Brites e Julieta Brites, irmãs e eternas solteiras de Unhais-o-Velho, há anos entregues ao sono bestial do enfartamento senil, não acreditaram, num primeiro momento, no que estavam a ver. Mas depressa se convenceram: a doutora Van Dunen amanhava o silvado como há muito não viam. Pela subtileza competente dos gestos, logo ali perscrutaram a imagem da saudosa mãe, grande referência moral que as ensinou, entre outras coisas, a dissuadir as investidas do macho-alfa pela permanência do buço. Em poucas horas, reuniram a vizinhança (duas cabras) e rumaram aos terrenos.

Mais a sul, o testemunho de Bernardino Quarenta não deixa margem para dúvidas. Ele e a mulher, Josefa Tirapicos, que em tempos ficou conhecida na região por ter cantado uma modinha aos microfones da TSF, num dos périplos do grande Fernando Alves pelas profundezas da pátria, andavam desmotivados, acabrunhados – nas palavras do próprio: assacanados. Septuagenários, vivem no sopé da Serra d’Ossa isolados do mundo, apesar da luxuriante companhia de uma pensão de reforma a bater os trezentos e cinquenta euros. Não fosse a leitura, há cerca de dois anos, do Alentejo Prometido, magnus opus de Henrique Raposo oferecido por um dos filhos na concorrida visita bienal à casa dos pais, provavelmente já não estariam do lado de cá. Mas a vida continuava a oferecer resistências. A reportagem da equipa ministerial a limpar matas, foi um game changer. A palavra ao senhor Bernardino: «Lembro-me de ter dito à minha Zefa: porra, mulher, do que é que estamos à espera!? Andamos p’rá ‘qui aos caídos e os nossos governantes naquele esforço… Pega já nas enxadas, ca*****!» Reencontraram o sentido da vida.

Na Bemposta, junto a Odemira, Amândio Saturnino, mais conhecido pela alcunha «o pilha-galinhas», pensionista de vocação e avicultor por opção, proprietário de uma herdade com 0,01 hectares onde residia rodeado de arvoredo desgovernado, ficou agradavelmente perplexo. «Ver o altruísmo daquela gente foi para mim uma inspiração. Chorei como há muito não chorava. Até assustei os cães.» A estratégia do senhor Amândio foi mista e aguçada: para além do esforço de braços, soltou os galináceos e armou-os sapadores. Serviço limpinho.

No Algarve, em Marmelete (perto de Monchique), o tumulto alastrou-se a diversas habitações. Em pouco mais de meia-hora, uma dúzia de pequenos agricultores, mas grandes rústicos, juntou-se no adro da igreja, envergando tochas, foices, dois exemplares da Constituição da República Portuguesa e uma Bíblia. Imolou-se um gato – ritual bastante apreciado na região – e gritou-se «Às matas!» Não sobrou um tufo para contar a história.

Mais a leste, em Balurcos, a sul do Parque Natural do Vale do Guadiana, o testemunho de Felizarda Mortágua, 68 anos, é ilustrativo: «Lembro-me perfeitamente daquele dia: tinha acabado de montar o televisor 4k com ligação à internet para passar a ver o The Art Channel. Eu e o meu marido ficámos perplexos. Ainda pensámos que fosse do efeito da qualidade da imagem, sim que o 4k é uma maravilha, mas não. Ficámos, de imediato, motivadíssimos. O meu marido disse ‘vês como se faz, Felizarda?’ ao que respondi, meio envergonhada, ‘não fazia ideia, Manel’. Como diz o povo, e com razão: nunca é tarde para aprender.» É comummente aceite na aldeia que o dia 24 de Março marcou as vidas de quem ali mora. Há uma petição para o tornar feriado.

Não há, pois, como menosprezar o domínio do «simbólico» e o poder da «comunicação». Se vos disseram que é reles propaganda (descarada, inútil, dispendiosa), não liguem. Estarão na presença de inorgânicos.

Standard

And especially

«…and especially whenever my hypos get such an upper hand of me, that it requires a strong moral principle to prevent me from deliberately stepping into the street, and methodically knocking people’s hats off…»

Standard

Taxistas de todo o mundo, uni-vos!

Theodore Dalrymple fez o elogio dos taxistas: gente normalmente bem informada, com uma visão muito clara da natureza humana, sem concessões ao cinismo e ao sentimentalismo.

Concordo e, de forma imodesta, confesso-me: paulatinamente, com o avançar dos anos, tenho vindo a consumar um trade-off metodológico entre a politologia anódina de salão, que durante anos nutri sob notável esforço autodidacta, e um comovente apego a formas mais ou menos abruptas de taxismo, doutrina injustamente vilipendiada por flocos de neve, políticos em geral e gente cuja auto-estima foi barbaramente violentada num qualquer trajecto aeroporto-baixa.

Dito de outra maneira: a idade subtraiu-me a sofisticação que subordina a liberdade ao fim estético, mas compensou-me com o melhoramento de uma técnica analítica de perscrutação das misérias humanas e da pantominice, filha maior do senso comum e do cepticismo. Estão a ver aquele ditado «a conservative is a liberal mugged by reality»? Pois é: fui assaltado vezes de mais.

Noutros tempos, este desvio na direcção de ordens filosóficas de raiz, digamos, mais popular, ter-me-ia levado ao degredo e à vergonha. Com o passar dos anos, abracei com convicção uma atitude eminentemente «básica» de desprezo pelo «homem público» e de desconfiança pelo que me rodeia. Graças a Deus por isso.

Impõe-se, nesta fase, uma palavra de agradecimento aos responsáveis por esta deriva analítica: os políticos do meu país.

Os trágicos acontecimentos das últimas semanas escancararam a céu aberto a impreparação, a mendacidade e o foguetório de hipocrisia de uma classe que nos devia respeitar e servir e pouco mais faz do que jogar: jogar com as palavras, jogar com noções básicas de honestidade, jogar com a inteligência alheia, jogar com os sentimentos. Tudo muito previsível, infantil e nauseabundo.

Observar a reacção dos líderes do Bloco de Esquerda e do Partido Comunista aos incêndios, hoje, comparando-a com a reacção dos mesmos actores há dois anos, é constatar a existência de criaturinhas que por cupidez ou tacticismo fazem questão de chafurdar na pocilga da desonestidade intelectual. Escutar Passos Coelho sobre putativos suicídios durante uma visita a Pedrógrão Grande, ou assistir ao degradante espectáculo de governantes agarrados que nem lapas à «imprevisibilidade» de raios e a «inauditos» downbursts com o intuito de esconder clamorosas falhas dos serviços que tutelam, é um fortíssimo contributo para a industria dos antieméticos.

Questionamo-nos: que gente é esta? Da chincana política à postura de bullies; da impreparação e cobardia, à mendacidade e à dissimulação; a resposta é óbvia e definitiva: a pior geração de políticos do Portugal democrático.

Dizer isto é um exercício simplista de generalização, demagógico e injusto? É a vida.

Standard

Temos pena

“O pior momento da minha vida!”, afirmou, novamente, a senhora ministra da Administração Interna. Novamente. E novamente de lágrimas nos olhos.

Alguém deveria avisar a senhora ministra da Administração Interna que ela não é, neste processo, mais uma vitima. Ninguém está interessado nos seus estados de alma. Morreram 64 pessoas. 254 feridos. Mais de 100 desalojados. Os «piores momentos da vida» que importa invocar e relevar são estes. Ponto.

Dizer isto não é culpar a senhora ministra do que quer que seja. É colocar as coisas no devido lugar. Se a senhora ministra da Administração Interna decidiu ficar e não se demitir (nas palavras da própria: «seria o mais fácil»), não queremos que fique para levar à cena confissões emocionadas. Não queremos queixas, como as que ouvimos o ano passado. Queremos que fique e que demonstre firmeza, tenacidade e resiliência. Em suma: cabeça.

O resto é folclore. E de péssimo gosto.

Standard

Not with a bang

Valdemar Alves, presidente da câmara municipal de Pedrógão Grande, respondia às perguntas de uma senhora jornalista na TSF, explicando o óbvio e o trágico: à dor da perda de familiares e amigos, juntava-se o desespero dos que ficaram sem nada: sem tecto, sem hortas, sem pomares, sem animais, sem equipamento agrícola. As casas tinham literalmente desaparecido, consumidas pelas chamas, explicava Valdemar Alves. E eis que surge a pergunta que se impunha da boca da senhora jornalista: «Mas eram segundas casas?»

No esplendor da sua imbecilidade, a pergunta é o mais perfeito ramalhete que compõe e completa o retrato social do Portugal contemporâneo: um país profundamente assimétrico, onde uma parte significativa da população não faz a mais pálida ideia do que se passa no seu território, tirando um aprofundado conhecimento dos corredores publico-privados que ciclicamente percorre, ligando os interstícios dos grandes conglomerados habitacionais onde habitualmente pastoreia a prole em ambientes controlados, e as areias algarvias saturadas de atoalhados em modo patchwork.

A concepção que a maioria dos portugueses veio a formular sobre o que é «o interior», reflecte o monumental ângulo morto onde se encontram alojadas as paragens «exóticas» que em abstracto constituem a ideia de «província», num registo efabulado pejado de quintinhas com pissina, solares e torres queirosianas, casas de pasto DOP, gente autóctone super pitoresca, galinhas, cabritos e borregos (que, como toda a gente sabe, são os filhos das vacas.)

Resta acrescentar que, nos últimos quarenta anos, este alheamento foi acompanhado por um vórtice centralista de decisões governativas muito do agrado de uma classe política alimentada a bifes do café de São Bento e competentemente apetrechada com estudos alicerçados no tríptico eficiência-custo-benefício, que repetidamente parecem comprovar o óbvio: «no deserto não há gente.» Só segundas casas.

Standard

Carry on

Assembleia da República. Ao contrário do que possamos pensar, o doutor Costa e o doutor Passos Coelho têm coisas em comum: líderes de bancada sofríveis; wannabe Berias; carpideiras que cumprem impecavelmente a quota da «indignação»; deputados desejavelmente anónimos (cuja intervenção no hemiciclo rivaliza com a discografia de Marcel Marceau); um sortido de gente com fatos de péssimo corte; três ou quatro existencialistas. E, claro, gente normal.

Mas é no comportamento dos líderes que observamos a mais comum das características: um percurso sólido, prolongado e certificado nas respectivas «jotas».

Só gente cuja carreira incluiu garraiadas e sapatos de vela, listas e «conteúdos programáticos», colagem de cartazes, universidades de Verão com serviços de liquidificação do quadrante do cérebro que promove a autocrítica, e estágios confortavelmente apadrinhados, pode desempenhar com particular vocação o manhoso registo parlamentar com que nos tem brindado.

Perante o bruá das hostes que vibram com as bocas dos chefes («chegou-lhe bem, doutor!»), e num registo que entremeia o bullying politiqueiro com a falsa incredulidade, os doutores Costa e Passos Coelho agigantam-se quinzenalmente: do sorrisinho perene e gozão do doutor Costa (alavancado por tiradas clássicas como a pungente «não esteja nervoso, senhor deputado!»), ao ar de virgem ofendida do doutor Passos-fui-traído-Coelho (que, ao contrário do Berlioz de Bulgakov, acredita no diabo mas vai acabar como o presidente da MASSOLIT), há todo um estilo devedor de uma carreira maturada nos interstícios da corte lesboeta desde tenra idade.

Vale a pena invocar o senhor Trump com um definitivo «sad»? Nada disso: é uma alegria. Tenho a secreta esperança de que estes comportamentos, que tanto nos divertem como nos envergonham, ajudarão a fortalecer o sentimento de desprezo e indiferença que os cidadãos crescentemente nutrem pelos seus representantes.

Há quem jure a pés juntos que isto é terrível, temendo o início do fim do sistema democrático tal como o conhecemos. Acho precisamente o contrário: voltar as costas à corte será um sinal de maturidade e equilíbrio democráticos. Além de que, há falta de outra, esta poderá ser a derradeira forma de aprendizagem, apesar das fácies do doutor Barbosa Ribeiro e do doutor Hugo Soares nos fazer presumir sérias resistências à instrução.

Standard

Obrigado, Edgardo

Edgardo Pacheco, crítico gastronómico do Financial Times (não é nada: é da CMTV), chamou a atenção do óbvio: «a maioria das pessoas [burras!] acha que o azeite é todo igual; o mesmo azeite que usam para temperar uma pescada serve para temperar um cabrito ou serve para temperar uma  mousse» (sic). E acrescenta: «ainda temos um problema mais grave do que esse [não acredito!]: usar o azeite para refogar e depois o mesmo azeite para temperar.» Conclusão: «isto é errado!»

Edgardo Pacheco pôs o dedo na ferida com a frontalidade de uma bola de algodão saturada de álcool 96% vol. (e não essa mariquice da clorexidina.) E fez-me voltar atrás no tempo, como o crítico gastronómico Anton Ego, depois de uma primeira colherada numa ratatoulle supimpa. A um tempo em que contemplava a minha avó Francisca na sua cozinha, rodeada de utensílios vetustos, galinhas degoladas, enchidos não normalizados, ervas aromáticas, facas do Joaquim Franzina e, claro está, quatro frascos distintos com azeite, onde estavam inscritas as directrizes: «pêxe», «chicha», «muce» e «móveis».

O Edgardo sabe muito.

Standard