A insustentável irrelevância das evidências

Reza Aslan expõe aqui um argumento catita: «O Islão, como qualquer outra religião, não é violento. Violentas são as pessoas.»

(Por acaso, e só por acaso, é um argumento querido à NRA: as armas não matam; quem mata é quem prime o gatilho. Argumento que o progressista Reza Aslan achará, neste contexto, «falacioso». Já sabíamos: os argumentos, como os padrões dos cortinados, dependem muito dos «contextos».)

Ao contrário do que Reza Aslan pretende fazer crer, não há religião sem fieis, acólitos e sacerdotes. Não há religião sem hermenêutica, preconceito, dogma ou doutrina. Nenhum destes elementos é indissociável ou absolutamente estanque. Podemos recorrer ao positivismo histórico para dissecar «cientificamente» as escrituras, e levar a cabo eventuais testes de stress, mas é na subjectividade do exegeta, no laborioso trabalho do sacerdote, na devoção dos fiéis, na dedicação do beatério e, ponto importante, na evolução crítica da praxis eclesial e dos dogmas, que tudo se joga. A religião não é uma senhora provecta, adepta do five o’clock tea e do bridge, que invariavelmente tentam corromper numa galáxia distante, onde habita. Coitada: teve azar com as companhias.

A ausência de uma condenação clara, inequívoca, cognoscível e institucional por parte dos líderes do Islão, aos atentados de Paris, é ensurdecedora * e leva-nos a concluir, com legitimidade, que algo está podre no reino do Islão.

O ocidente não está em guerra com o Islão e, contudo, é do Islão que brotam as tentativas maximalistas de acabar com os «infiéis» – ou, em dias mais solarengos e aprazíveis, de converter a horda que se prostitui moralmente nos botequins e zincs.

A maioria dos Estados auto-proclamados «Islâmicos» são teocracias que, por uma «bizarra» e «estranha» coincidência, caucionam leis, ritos e costumes bárbaros: a pena de morte para apóstatas; o preconceito e a discriminação institucionalizada contra os homossexuais; a execrável subjugação das mulheres; a cobertura legal a castigos inumanos e desproporcionados; e por aí fora.

O Corão não dá cobertura a isto? Provavelmente, não. Corolário a adoptar: não toquemos no Islão. Curiosamente, ainda hoje não hesitamos em lembrar e denunciar fervorosamente a inquisição, a caça às bruxas, a perseguição de populações indígenas, o julgamento de Galileo ou, mais recentemente, os actos de pedofilia no seio da igreja católica. Também nestes casos, o Livro, per se, não deu cobertura. Daí que sejam comuns, desde há séculos, relambórios do tipo: «relembremos o caso em que alguns indivíduos mal intencionados, empenhados em desvirtuar a essência de uma religião, e na sua grande maioria padecendo de aguda insanidade por via da pobreza e da segregação, levaram a cabo a queima da Sr.ª D.ª Joana d’Arc.» Ia jurar que ainda ontem o Prof. Fernando Rosas os invocou.

Podemos continuar, contentes e descansados, a enterrar as nossas inestimáveis cabeças na areia do politicamente correcto, abraçando a complacência e reputando de «irrelevante» o que é evidente. Mas não tenhamos ilusões: não estaremos, certamente, a ajudar o Islão.

* PS: alguns amigos fizeram questão de me lembrar que, desta vez, não foi bem assim: houve registo de fortes condenações por parte de alguns líderes religiosos muçulmanos. Oxalá que assim tenha sido. Dar-me-ia muito gosto estar enganado.

Standard

One thought on “A insustentável irrelevância das evidências

  1. Joaquim Amado Lopes diz:

    “houve registo de fortes condenações por parte de alguns líderes religiosos muçulmanos”
    Alguns. Quantos em quantos? Com que relevância no mundo muçulmano?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s